18 maio 2008

Mandou-o ao inferno 2

Era 1980, em Pattaya, Tailândia. O uruguaio Emilio Castro1 se intrigava com o que se passava durante a visita do dignitário real à consulta realizada pelo Comitê de Lausanne para a evangelização mundial, com a participação de cerca de 900 líderes de todo o mundo.

Vieram os procedimentos do protocolo. Agradeceram ao enviado do rei por sua hospitalidade e pelo gesto de visitar o evento. Emilio descreveu depois sua inquietação nos seguintes termos:

“... a esse dignitário real se presenteou uma Bíblia, mas em nenhum momento lhe foi dito: ‘E lamentamos muito que não vamos nos ver no outro mundo, porque vossa senhoria vai ao inferno’. Eu comentava com meus amigos: ‘Percebem que estamos convencidos de que há salvação em Jesus Cristo e que ninguém vem ao Pai senão por mim, mas ao mesmo tempo não temos a coragem de dizer àqueles que estão ao meu lado: “Está perdido e você vai ao inferno”.2


Bom, minha filha de 9 anos teve outro dia essa, digamos, “coragem missionária”. Aconteceu assim. O simpático vizinho, de sua mesma idade, nos visitava. Em algum momento, creio que Ana Júlia buscava explicar-lhe os motivos de nossa mudança ao Uruguai, e isso envolvia falar do trabalho de seu pai. Depois de mencionar a Bíblia e Deus umas duas ou três vezes, o garoto, meio que desafiante, lhe disse “pois eu não acredito em Deus”.

Foi aí que minha querida filha lhe retrucou algo assim, “quem não acredita em Deus vai pro inferno”. Singela e direta, um amor de criança. Resolvi intervir quando ouvi o garoto gaguejar ao tentar defender-se. “Eu, quer dizer, não vou, minha mãe disse, não é porque eu não acredito que eu vou para o inferno...”. Logo percebi que a sua crença no inferno andava bem mais desenvolvida do que as outras.

Convidamos o garoto para o almoço. Nada como o bom testemunho da hospitalidade à mesa para que tentássemos avançar. Quase tudo vai por água abaixo quando Carolina, nossa menor de 5 anos, irrompe logo após a oração de gratidão, “Você estava de olho aberto e Jesus não escuta oração de olho aberto”. Os reflexos das chamas do inferno voltaram a brilhar nos olhos do garoto. Enquanto eu me perguntava quem havia ensinado isso a Caro, tratei de tentar voltar à teologia da mesa e da hospitalidade com nosso convidado.

Refletindo sobre o que se passou entendo que não posso escapar do que o próprio Jesus falou acerca do juízo e da condenação. É verificável que, mesmo sem a presença da fé, freqüentemente encontramos que mesmo um básico senso comum demanda um conceito de justiça. Ou seja, sem a noção de reparação ou retribuição, ficamos sem lastro ou sem referência, inclusive para que possamos viver bem e harmoniosamente em uma sociedade.

O problema se dá quando examinamos nossas próprias noções sobre o que é necessário para que haja reparação ou justiça. Vemos que, nos evangelhos, nossas concepções de juízo e de castigo são confrontadas por Jesus. Parece que elas vêm de nossa natureza humana caída, quando muitas vezes ambicionamos ser mais justos do que o Rei.


Falando em reis, não sei o que se passaria se houvessem dito o seguinte ao enviado do rei da Tailândia,
“olha, diga ao seu chefe que se ele não ler esse livro ou se não acreditar no que está aí, estará no sal, ou pior ainda, estará no fogo”. Suspeito que essa não seria a melhor "estratégia" evangelística, e tampouco seria ela embasada no modelo de Jesus.

Talvez Jesus o convidasse para a mesa, e de olhos bem abertos o rei poderia ver e ouvir de Jesus acerca do caminho de vida que há nEle e através dEle. Daí o monarca teria dois caminhos simples a tomar, segui-lo ou rejeitá-lo. Opções que teriam seus desdobramentos. Mas não creio que atirar em sua cara essas conseqüências iria ajudá-lo a abraçar e seguir a Jesus. A voz e o olhar de Jesus à mesa, esses sim seriam um enorme e atrativo convite.

1 Isso se passou quatro anos antes de Emilio Castro vir a assumir a secretaria geral do Concílio Mundial de Igrejas. Em tempo, quem ler o livro de onde extraio a história verá que, na verdade, Emilio criticava essa possível postura de enviar os outros para o inferno.


2 Em entrevistas publicadas em “Paixão e compromisso com o Reino de Deus”, Manuel Quintero Pérez e Carlos Sintado, Kairós Ediciones, 2007.


Foto: © David Sidwell - Copyright © 2008 TrekEarth

7 comentários:

Humberto Ramos disse...

Gosto muito deste seu blog. Um espaço onde reina a sensatez do Evangelho...

Abraços!

Lissânder disse...

Caro amigo,
Eu tb tenho minhas perguntas sobre o inferno, mas mesmo assim quando me volto ao Evangelho percebo que o discurso de Jesus é mais simples e corajoso do que o nosso. Ele reunia o equilíbrio necessário entre a "teologia da hospitalidade" e a "teologia do inferno" (sem ocultar esta, não somente para os líderes religiosos, mas tb aos discípulos - ver Mc 9.42-48).
Que Deus nos dê a sabedoria necessária para tanto. Continue aprendendo com suas filhas!
Abraço!

Ricardo Wesley M. Borges disse...

Valeu Humberto e Lissânder!
Comento que não pensava apenas nos líderes religiosos. Pensava também nos discípulos. E a eles, Jesus os alertou algumas outras vezes sobre o castigo duradouro, como em Mateus 6:29-30; 24:50-51; 25:29-30,44-46.
Então meu questionamento aponta mais para a "missiologia" do que para a "teologia". Tentarei me explicar.
Questiono o uso do ensinamento do castigo e da punição na evangelização. Parece que Jesus lançou esses alertas àqueles que o seguiam, em um contexto da necessidade de amadurecer a fé ou de exortar à fidelidade.
Me parece que o medo não é um bom "gancho" para que alguém abrace o evangelho da graça. Ao mesmo tempo, e por outro lado, entender que prestamos contas do que fazemos na vida pode ser um fator importante no crescimento de minha fé.
Outra dificuldade minha é ver a maneira como muitos cristãos reagem à tendência contemporânea que busca excluir qualquer noção de responsabilidade ante um ser divino, o Todo Outro, o Criador. Muitos crentes reagem "atirando" o ensinamento do castigo permanente aos seus acusadores, quase que desejando que eles experimentem tal punição. Bom, na verdade, alguns explicitamente o desejam.
Então, meu ponto é: Se Deus não desejou isso, tampouco eu o desejarei.
E minha pergunta é: falar da noção do grande castigo é a melhor porta de entrada para o evangelho?
Obrigado por poder interagir.
Forte abraço!

Humberto Ramos disse...

Compreendo sua (missio)lógica. Embora eu, assim como o Lissânder, tenha algumas perguntas sobre o inferno (e o Lissânder já ouviu algumas quando esteve no treinamento da abu aqui em Pouso Alegre. Tenho comigo uma idéia consolidada. Para mim quem vem pra Jesus com medo do inferno não vem realmente pra Jesus, está fugindo da condenação. Este põe na balança: Jesus x Fogo Eterno. O menos pior é escolhido.

Contudo, aquele que vem para Jesus compreendendo a Graça, vem todo satisfeito e nem pensa no inferno.

No mais, também acredito que deva sair de nós o anúncio do Juizo Divino. Só não nos cabe dizer que já está julgado...

Décio Carvalho disse...

Querido Ricardo, quem tem o "termômetro" e sabe a "temperatura" que significa algum perigo está lá em cima. Penso que o medo não será nunca a porta mais saudável...mesmo sabendo que os caminhos mais altos de Deus quase sempre nos surpreendem.
O certo é que se não houvesse ou não houver castigo (um dia saberemos), estar em Cristo será sempre o melhor para o homem.

Juber Donizete Gonçalves disse...

Prezado Ricardo,

Uma pessoa dizer que a outra vai para o inferno, certamente é porque ela acha que é o anjo que vai separar o joio do tribo. São essas "certezas" religiosas que já causaram muitas tragédias. Há muito tempo atrás, uma pessoa me falou que Deus não pensa como o home. E ainda bem que pensa diferente. Pois só ele vai conforme está escrito em Romanos: "abrir o segredo do corações dos homens". Parabéns pelo blog.

Juber Donizete Gonçalves
www.juberdonizete.blogspot.com/

Ricardo Wesley M. Borges disse...

Boa, Décio!
Estar em Cristo é sempre o melhor, e esse é um poderoso convite. Talvez precisemos entregá-lo a mais gente com alegria e coragem.
Obrigado, Juber. O fato de que Deus não pensa como o homem é uma verdade básica, mas tão esquecida em nossa altivez. Essa idéia poderia ser um excelente alerta para que evitássemos afirmações estranhas ao evangelho de Jesus. Inclusive as que fazemos aqui no blog, hehe.
O crivo para avaliar-las e separar o que não convém seria então uma hermenêutica mais comunitária, dirigida pelo Espírito de Deus. Dá trabalho, mas a gente tem que estar disposto à tarefa.
Abraço!